Quem são os coadjuvantes de um restaurante?

Quando pensamos em restaurante, pensamos sempre na experiência gastronômica, nos sabores e texturas que poderão nos encantar. Na nossa cabeça, imaginamos sempre o chef: estudando, descobrindo técnicas e ingredientes para nos surpreender. A cozinha, sob a pressão de executar com perfeição cada detalhe arquitetado pelo chef, prepara, experimenta e monta cada prato com precisão.

Esses são grandes astros de um restaurante. Mas esse texto não é sobre eles. Grande parte da magia de ter uma noite inesquecível depende de atores nada coadjuvantes: Hosts, garçons, maitres, caixas, tesoureiros, faxineiros, estoquistas, gerentes que trabalham fora das luzes dos holofotes para deixar tudo pronto para a hora do show. 

A partir das sete da manhã os ingredientes e outros insumos do restaurante começam a chegar e serem recebidos pelos estoquistas.  Salvadores da pátria, também conhecidos como prestadores de serviço comparecem para colocar a casa em ordem: arrumar a geladeira que quebrou, o forno que desregulou, internet que caiu, impressora que não funciona. O dia também é aproveitado para deixar o salão, louças, talheres, cristais e guardanapos, limpos e brilhantes.

Pela tarde, o staff participa de aulas de inglês, degustação de vinhos, drinks, novos menus, etiqueta e postura para oferecer um serviço elegante e impecável. A hostess confirma as reservas da noite, distribui as mesas, reagenda o cliente que não vai conseguir chegar por causa da chuva e encontra outro para pôr no lugar. Enquanto isso a gerente está organizando um evento para 80 pessoas, ao mesmo tempo cobra o fornecedor que não entregou todo o pedido e ainda encontra um substituto. O maitre reúne o staff para orientá-los em como se posicionar caso o corredor da cozinha fique muito cheio, como informar o cliente em caso de atraso do seu prato e qual a deixa perfeita para oferecer a harmonização de vinhos. Quando a audiência é exigente, o diabo mora nos detalhes. 

A rotina de um restaurante é desafiadora e a única certeza é de que alguma coisa vai dar errado. Então essa é uma pequena homenagem para quem fica nas coxias durante o espetáculo, apagando incêndios com muita criatividade e jogo de cintura.  Nós desenvolvemos pensado em vocês, deixando tudo preparado para quando escutarem a palavra: 

Serviço!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *